jusbrasil.com.br
20 de Agosto de 2017

Juiz flagrado dirigindo carro de Eike Batista perde cargo e aposentadoria

Correção FGTS, Estudante
Publicado por Correção FGTS
há 12 dias

O ex-juiz federal Flávio Roberto de Souza foi condenado a 8 anos de prisão por ter ter se apropriado de R$ 24 mil e US$ 442 do empresário Eike Batista. O ex-magistrado, que ficou conhecido ao ser flagrado dirigindo um Porsche do ex-magnata, também foi sentenciado à perda do cargo e da aposentadoria — ele havia sido retirado da ativa compulsoriamente em 2015.

O veículo que deu "fama" a Souza havia sido apreendido por ordem do próprio juiz, quando estava à frente das ações criminais que o empresário responde.

Em 2015, o então juiz da 3ª Vara Federal Criminal do Rio determinou o sequestro e o arresto de bens de Eike Batista. A Polícia Federal apreendeu 38 itens do empresário, como automóveis — incluindo o Porsche Cayenne —, um piano de cauda da marca Yamaha e dinheiro em espécie: R$ 90 mil, 2.750 líbras, 1.850 euros e US$ 5.442.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal, Souza determinou, na decisão cautelar, que os bens deveriam ficar na própria 3ª Vara Federal Criminal — o que não é comum, segundo uma servidora federal disse no processo. Além disso, o ex-magistrado levou dois carros e o piano para seu condomínio. O objetivo, segundo ele, era proteger melhor os itens.

Souza ser flagrado dirigindo o Porsche em fevereiro de 2015, a corregedoria do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (RJ e ES) abriu investigação contra ele. Só que o órgão não achou as líbras, euros e dólares que tinham sido apreendidos. A quantia em reais também estava desfalcada de R$ 27 mil, apontou o MPF. Posteriormente, segundo os procuradores, o então juiz entrou sem autorização em sua sala e devolveu parte do dinheiro. Ainda assim, ficou faltando R$ 24 mil e US$ 442 de Eike Batista, conforme o MPF. Por isso, o órgão denunciou Souza por peculato e fraude processual.

A defesa do juiz federal alegou que não havia provas contra ele e que o magistrado, à época dos fatos, sofria de problemas psicológicos que fizeram com que perdesse a noção da realidade.

Ao julgar o caso, o juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, Marcelo Bretas, afirmou ter ficado claro que Souza cometeu o crime de peculato. Para o responsável pelos processos da operação “lava jato” no Rio, o ex-juiz federal agiu até com “certa premeditação”, pois determinou a guarda dos bens em lugar indevido já na decisão que ordenou a busca e apreensão deles.

Com relação ao delito de fraude processual, Bretas destacou que todos os servidores que foram ouvidos no processo disseram que o dinheiro foi colocado no armário da sala de Souza após ele visitar o local.

“Dessa forma, o suporte probatório comprova que o réu tinha pleno conhecimento de que estava sendo alvo de procedimento administrativo e agiu artificiosamente com o intuito de induzir a erro os juízes e servidores convocados pela Corregedoria para a investigação”, avaliou Bretas, que também refutou a alegação de insanidade de Souza.

Para juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, a culpabilidade de Flávio Roberto de Souza é “intensa”, uma vez que ele era juiz federal quando cometeu os crimes. “Por isso, tinha conhecimento muito acima da média sobre a gravidade dos delitos imputados.”

Além disso, o responsável pela operação “lava jato” no Rio de Janeiro apontou que Souza “traiu valores que jurou obedecer quando de sua assunção à magistratura” ao praticar delitos.

“Concluo que, por se tratar o acusado de profissional com vários anos de experiência nas atribuições que exerceu tanto no Ministério Público Federal quanto na Justiça Federal, na seara criminal, sua capacidade de compreender o caráter ilícito de seu comportamento era bem superior ao dos demais membros da sociedade. Um juiz que aplica penas pela prática de crimes certamente considerou seus efeitos ao decidir, ele mesmo, delinquir. Pior do que isso, revelou-se um hipócrita”, criticou Bretas.

Dessa maneira, Marcelo Bretas condenou o ex-juiz federal a 7 anos de prisão por peculato e a 1 ano por fraude processual. O juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio ainda determinou que ele pague reparação de R$ 25.390,85 e 100 dias-multa.

Aposentadoria compulsória

Em novembro de 2015, o Órgão Especial do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (RJ e ES) condenou Flávio Roberto de Souza à pena de aposentadoria compulsória ao julgar três processos administrativos disciplinares contra ele.

O primeiro processo tratava da apropriação de R$ 989 mil referentes a uma ação criminal contra um traficante espanhol, preso na operação monte perdido, e que estavam sob a custódia da 3ª Vara Federal Criminal, então comandada por Souza. Os outros dois procedimentos foram instaurados em razão do uso indevido de bens apreendidos de Eike Batista e por declarações dadas à imprensa que demonstraram a parcialidade dele no caso e puseram em dúvida a credibilidade da Justiça.

A aposentadoria compulsória é a pena máxima no âmbito administrativo e foi aplicada no julgamento das duas primeiras ações. Com relação ao último processo, a pena imposta foi a de disponibilidade. Souza continuará recebendo salário, mas de forma proporcional.

Clique aqui para ler a decisão.

Processo 0501610-15.2016.4.02.5101

Fonte: Conjur

Veja também :

Como advogados e escritórios podem entrar com pedido de restituição de cobrança indevida de ICMS na conta de luz para seus clientes.

Equipe de advogados desenvolve pacote de petições cíveis para dar suporte a profissionais e escritórios da área jurídica no peticionamento e processo de ajuizamento das ações.

Saiba como advogados e profissionais jurídicos podem estudar o Novo CPC online e obter certificado de conclusão.

18 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Por essas e outras que a equipe técnica do JusBrasil deveria colocar emojis.

Peço desculpas pelo trocadilho, mas confesso, colocaria um emoji de surpreso, outro de espanto, outro de não acredito e outros de risos.
Assim que li este artigo, deveria ser exemplo de julgamentos a tantos magistrados que atuam da mesma forma.
Ressalvo, tantos magistrados não é sinônimo de maioria, enfim uma boa notícia que justiça foi feita. continuar lendo

Não vamos aplaudir antes da hora! Ainda há aquela fase interminável de recursos onde ele poderá até ser convertido em vítima!! continuar lendo

Nobres colegas, no âmbito da moralidade pública para ressuscitá-la, foi uma decisão justa e digna, contudo, conforme aludiu nossa colega Vera Maria Ferreira é muito cedo para comemorá-la ante a gama de recursos ulteriores dos quais o magistrado indigno tem direito. Não se pode olvidar, já se tornou moda no Brasil, geralmente as sentenças de 1º grau das quais condenam figurões é sempre reformada em favor dos facínoras. Espero que está e muitas outras do gênero, sejam exceções e que a condenação deste cidadão de toga seja mantida em todo o seu teor. Ainda existe pessoas de bem no poder público, vamos dar o devido apoio a elas. Vamos acreditar que esta pandemia de ratos públicos será exterminada. continuar lendo

Acho que o tópico da notícia esta equivocado. Ele não perdeu a aposentadoria. continuar lendo

Determino a perda do cargo de juiz federal (arts. 26, I e 47, I, ambos da LOMAN/Lei Complementar nº 35 de 1979), que por ser vitalício mantém seus efeitos durante a inatividade, bem como a perda da aposentadoria que foi imposta ao condenado, a partir do trânsito em julgado, como efeitos específicos da condenação (art. 92, I, a do Código Penal.

Admito que o sentenciado apresente recurso em liberdade. Se confirmada esta sentença condenatória em segundo grau de jurisdição, ou no caso de não haver recurso (HC 126.292 STF), certifique-se e expeçam-se mandados de prisão e Guias de Recolhimento, adotando-se as providências previstas em provimento específico do E. TRF desta 2a – Região.
Certificado o trânsito em julgado:
a) torna-se exigível a condenação ao pagamento das custas.
b) a pena pecuniária será recolhida no prazo de 10 (dez) dias do trânsito
em julgado da sentença, a menos que o Juízo da execução fixe prazo diverso.
c) lance-se o nome do condenado no rol dos culpados

Se alguém puder me ajudar: após o trânsito ele perde ou não? Porque antes diz que perde. Depois se omite. continuar lendo

A aposentadoria compulsória havia sido aplicada na via administrativa, onde era a pena máxima. Mas na área criminal essa aposentadoria foi cassada, conforme consta expressamente na folha 13 da sentença. Portanto o tópico da notícia, ao contrário do comentário do Sr. Carneiros, não está equivocado. continuar lendo

Isso que eu chamo de criminoso, agora cadê os kras que ficam pedindo por punições severas? que criticam os direitos humanos e ficam com um mimimi infernal, olhem bem pra cara desse marginal ali de cima, ESSE bandido é o fdp que vocês tem q mirar!! esse bandido é pior que qualquer meliante de rua, ele faz estragos muito maiores. Bandidos engravatados que roubam a vontade devem ser o alvo da ira da população! avante pra cima deles!

obs: como o rio de janeiro tem a capacidade de produzir/conter tanto lixo assim? continuar lendo

Correta a ação. continuar lendo