jusbrasil.com.br
20 de Setembro de 2019

Superior Tribunal de Justiça reafirma não incidência do ICMS sobre TUST/TUSD na conta de energia

Correção FGTS, Estudante
Publicado por Correção FGTS
há 2 anos

A temática de restituição de impostos tem sido bastante atrativa para a advocacia nos últimos tempos, sobretudo em razão do reconhecimento pelos Tribunais Superiores de diversas cobranças ilegais feitas pelo Fisco.

Nesse cenário, dentre outros aspectos, destaca-se o debate da ilegalidade da cobrança de inclusão da TUST (Tarifa de Uso do Sistema de Transmissão) e TUSD (Tarifa do Uso do Sistema de Distribuição) na base do ICMS.

Transmissão de energia elétrica corresponde à circulação de mercadoria ou serviço?

A discussão reside na constatação de que o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) tem verificado em sua base de cálculo valores que exorbitam, de fato, a circulação de mercadorias. É o que acontece nos casos da TUST/TUSD.

A TUST/TUSD são tarifas cobradas em razão da utilização das redes de transmissão. São pagas, portanto, em razão de serviços necessários para a entrega de energia elétrica aos consumidores.

Se por um lado não há dúvidas de que a circulação de energia elétrica é fato gerador do ICMS, visto que é clara a circulação de mercadoria; por outro lado há discussões acerca do ICMS trazer em sua base valores relativos à TUST/TUSD. Certo é que apesar das discussões, os Estados têm feito cobranças de ICMS sobre a TUST e a TUSD, tributando serviços de necessária aquisição para a transmissão de energia elétrica, como se fossem mercadorias em circulação. Essa cobrança é feita de encontro com disposições constitucionais e legais pertinentes à cobrança do ICMS.

Acerca do tema, em Março do corrente ano, ao julgar o REsp 116020, a 1ª Turma do STJ entendeu pela possibilidade da cobrança. Essa decisão contrariou a jurisprudência dominante no Tribunal, conforme se verifica da leitura de diversos julgados da Casa, a exemplo do AgRg no REsp 1135984 e do AgRg no REsp 1408485.

Em Setembro/2017 a 2ª Turma se manifestou sobre o tema nos REsp 1676499 e 1680759. Em ambas as oportunidades reafirmou a tese de não incidência do ICMS. Ao proferir seu julgado, a 2ª Turma do STJ afirmou que “(...) O STJ possui entendimento consolidado de que a Tarifa de Utilização do Sistema de Distribuição - TUSD não integra a base de cálculo do ICMS sobre o consumo de energia elétrica, uma vez que o fato gerador ocorre apenas no momento em que a energia sai do estabelecimento fornecedor e é efetivamente consumida. Assim, tarifa cobrada na fase anterior do sistema de distribuição não compõe o valor da operação de saída da mercadoria entregue ao consumidor (...)”.

Ainda não há um posicionamento firme sobre a matéria, mas se pode dizer que a jurisprudência é bastante favorável aos consumidores. Por isso, esse é o momento ideal para a atuação da advocacia, para que traga a seus clientes essa grande tese tributária que lhes permitirá a restituição de valores pagos indevidamente ao Fisco nos últimos cinco anos.

Quem pode obter a restituição?

Pontue-se que a possibilidade de restituição desse imposto é bastante ampla, vez que o consumo de energia elétrica é verificado tanto por consumidores residenciais, quanto pelas empresas, qualquer que seja o seu porte. No caso das empresas, essa restituição é viável apenas para aquelas que não possuam o sistema de compensação de créditos do ICMS ou que não tenham essa restituição em sua integralidade. De qualquer modo, o nicho de atuação é bastante amplo e o interesse pelo tema tem crescido de forma significativa.

Apesar dessa ampla possibilidade de clientes, compete à advocacia valer-se de estratégia e utilizar seu marketing jurídico de forma a buscar a formalização de contratos que lhe sejam favoráveis e que potencialmente possam trazer maior retorno em questão de honorários.

Deve o advogado estar atento para o fato de que, apesar da restituição ser possível a um público amplo, os valores envolvidos no caso de contribuintes residenciais e grandes empresas que fazem compensação de ICMS podem não ser atrativos. Por isso, é importante que o profissional do direito saiba buscar clientes em potencial, dentre os quais se destacam as empresas menores, mas que possuam um elevado consumo de energia elétrica. Certamente, serão entre esses contribuintes que verificaremos as maiores cifras para uma possível restituição de valores e, consequentemente, para a cobrança de honorários relativos aos serviços de advocacia que serão prestados.

Veja também:

==>>Correção do FGTS - Como advogados devem proceder para buscar a correção do FGTS para seus clientes ! [Ler]

==>> Como entrar com pedido de restituição de cobrança indevida de ICMS na conta de luz para seus clientes ![Ler]

==>> Tem clientes pessoa jurídica? Saiba como pedir Exclusão do ICMS do PIS/COFINS de seus clientes! [ler]

==>> Equipe de advogados desenvolve pacote de Petições Tributárias para dar suporte a profissionais e escritórios das áreas jurídicas no peticionamento e processo de ajuizamento das ações.[Ler]

28 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Não adianta, tão somente definir direitos, há de se estabelecer o cumprimento da decisão sem necessidade de ação judicial, se é direito é de aplicação Erga Omnes, imediata! continuar lendo

Concordo plenamente! continuar lendo

Então parece que: Só vão obter justiça, aqueles em que os ganhos forem atrativos para os advogados e os que não são atrativos como por exemplo consumidores individuais, ficarão a margem da lei, esquecidos como sempre. Então podemos concluir que o caso saiu da esfera da "justiça" para a seara do ganho, do lucro, da rentabilidade. Quantos absurdos não se praticam nesse país em nome da "LEI". Se é que podemos assim chama-la. continuar lendo

"Dormientibus non sucuriú jus"
Consumidores apenas ficarão esquecidos se realmente quiserem.
Existem inúmeros meios de se fazer valer o seu direito, inclusive à custo zero.
Estamos falando desde núcleos de assistências jurídica em universidades, Juizados Especiais, e até advogados que vem fazendo essas ações e estipulam a cobrança de honorários ad exitum.
Portando, a coisa não é bem assim como comentado: justiça pelo ganha/ganha e da rentabilidade
Grande abraço... continuar lendo

Pai, perdoai, porque ele não sabe o que fala! continuar lendo

Prezados, só a título de observação, para que não haja dúvida em relação ao acórdão julgado em repetitivo, onde houve alteração do entendimento da 1ª Turma do STJ, na citação da presente matéria, a saber: "acerca do tema, em Março do corrente ano, ao julgar o REsp 116020, a 1ª Turma do STJ entendeu pela possibilidade da cobrança.", o recurso especial julgado em repetitivo, na verdade foi o REsp 1163020/RS, e não o mencionado alhures.

Abraço a todos. continuar lendo

ICMS na conta de luz: bases para o cálculo - ICMS NA BASE DO PIS E DA COFINS NAS FATURAS DE ENERGIA - VEJA NA ÍNTEGRA O ARTIGO -
https://peritoadministrador.blogspot.com.br/

De acordo com a ANEEL a forma de cálculo para identificação dos tributos é conhecida como “por dentro”, e estão na mesma base os tributos (ICMS+PIS+COFINS) a fórmula para a identificação e aplicação do índice é:
[1- (ICMS+PIS+COFINS)]
Na matemática financeira o que é denominado pela ANEEL de “por dentro”, é a aplicação do sistema Racional, que não permite que o valor nominal “sofra” algum desconto.
O resultado desta equação é o índice do cálculo da base valor.
Devido a este fato, o cálculo para restituição do ICMS não pode ser diretamente nos valores controversos descritos na conta (TUSD, TUST e mesmo os ENCARGOS e PERDAS), pois, tais valores podem ou não estar embutidos tais tributos, há de se fazer a análise individual.
Indo pouco mais além, para cada conta de energia deverá ser feito um recálculo, pois, as tarifas como PIS e COFINS são apuradas de forma não-cumulativa, cada mês um novo índice, refletindo na base e valor do ICMS.

Tenha um trabalho técnico individualizado, confiável e eficaz.

Art. 473 do Novo CPC – “O laudo pericial deverá conter”:
...
III – a indicação do método utilizado, esclarecendo-o e demonstrando ser predominantemente aceito pelos especialistas da área do conhecimento da qual se originou.
§ - 1º. No laudo, o perito deve apresentar sua fundamentação em linguagem simples e com coerência lógica, indicando como alcançou suas conclusões.

Laudos e/ou pareceres com planilhas detalhadas indicando os valores controversos

Contate um perito.
Adm. José Luciano Paulini – CRA/SP 116954
Perito Administrador especialista em Perícia Contábil de Financeira
Perito Judicial TJ/SP
Whatsapp 19-983408192
atendimento@aldconsultoria.com.br

www.aldconsultoria.com.br continuar lendo